∆ ▼ ∆ ▼ ∆ ▼ ∆ ▼

Because baby, i’m a mess.: Eu nunca fiquei solitário. Já estive numa sala – Já me senti suicida....

Eu nunca fiquei solitário. Já estive numa sala – Já me senti suicida. Já fiquei deprimido. Já estive muito mal – pior que tudo – mas nunca pensei que uma pessoa poderia entrar naquela sala e curar tudo que estava me incomodando… ou que qualquer número de pessoas poderiam entrar naquela sala. Em…


“Eu definitivamente não consigo me desligar das pessoas. Todo mundo é meu pra sempre, mesmo que seja eu quem tenha ido embora.”
Martha Medeiros.

“A praia estava cheia de um vento bom, de uma liberdade. E eu estava só. E naqueles momentos não precisava de ninguém. Preciso aprender a não precisar de ninguém. É difícil, porque preciso repartir com alguém o que sinto. O mar estava calmo. Eu também. Mas à espreita, em suspeita. Como se essa calma não pudesse durar. Algo está sempre por acontecer. O imprevisto me fascina.”
Clarice Lispector

“Eu fui um covarde fugindo de novo. Mas todo lugar que eu fui, você estava comigo.”
Chuck Bass

“Entre nós dois a conversa sempre fluía espontânea. Ela falava um pouco, eu prestava atenção, e depois chegava a minha vez. Nosso diálogo era sempre assim, simples, sem esforço nenhum. Parecia que tínhamos segredos em comum. Quando se descobria um que valesse a pena, Cass dava aquela risada — da maneira que só ela sabia dar. Era como a alegria provocada por uma fogueira.”
Bukowski

“Parecia que tinha sido, tipo, uma eternidade, como se tivéssemos vivido uma breve, mas finita, eternidade. Alguns infinitos são maiores que outros.”
A Culpa é das Estrelas.

“Estávamos ali com o céu em nós. As mãos, unindo os nervos, faziam das duas criaturas uma só, mas uma só criatura seráfica. Os olhos continuaram a dizer coisas infinitas, as palavras de boca é que nem tentavam sair, tornavam ao coração caladas como vinham.”
Dom Casmurro.

“Sinto uma vontade de pedir pra você ficar, mas dou um sorriso e aceno. Tchau, meu amor. Tchau. Vai, mas volta. Volta que aqui sempre vai ter café quentinho, olhar que te embala, abraço que te envolve e te traz a paz. Volta que aqui sempre vai ter comidinha feita na hora, uma coberta pra te proteger do frio, uma história boa pra te contar. Volta que aqui a gente constrói pouco a pouco um pequeno castelo cheio de sonhos, realidade e vida.”
Clarissa Corrêa.

“Sinto saudade de algumas coisas. De mim, principalmente. De como eu era. Mas acho que a gente se transforma, assim como a vida, assim como os dias. Tudo é aprendizado, tudo tem motivo. Essa certeza ninguém me tira. Tudo na vida tem explicação. Não sou de lamentar, tampouco conto minhas lamúrias dizendo que-foi-que-eu-fiz-que-cruz-é-essa-que-carrego. Não sou vítima da situação. Tem tanta gente sofrendo, tanta gente se estrepando, tanta gente guerreira, que encara a vida de peito aberto sem choro e sem sentir pena ao se olhar no espelho. Não tenho motivos para lamentar. Mas tenho muitos para agradecer.”
Clarissa Corrêa.

“Mania de jogar o cabelo pro lado. Mania de sorrir quando sente alguém olhando demais. Mania de coçar os olhos e olhar o visor do celular como se houvesse chegado alguma coisa e não viu. Mania de estudar escutando música e revirar os olhos sempre que escuta, ouve ou vê alguma bobagem. De sorrisos, de olhares, de vozes e cheiros. Mania de achar que nem tudo é aquilo que se vê. De imaginar situações com quem nunca viu e se arrepiar, sorrir, se desesperar por isso. Mania de fechar os olhos antes de dormir e te desejar boa noite em pensamento, dorme bem, sonha comigo, te quero muito e bem.”
Caio Fernando Abreu.

“Nem todas as pessoas têm essa sorte de ser muito bom em alguma coisa.”
A culpa é das estrelas.

“Eu não sou seu amor. Nem nunca vou ser. Larga meu braço.”
Gabito Nunes.

“– Você parece mais duro hoje em dia.
– Mais decidido, você quer dizer.”
Gabito Nunes